Visita Freestyle

Na manhã de quinta-feira (31) recebemos na Escola Internacional Saci o jogador de futsal Adonias Fonseca. Destaque da categoria Freestyle, que consiste em dribles de maior dificuldade, o craque fez a alegria dos alunos do 6º ao 9º ano, das Agrupadas III e IV e do projeto AABB Comunidade, proporcionando um momento de apreciação de sua habilidade no ginásio da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB).

Adonias mostrou aos alunos vários dribles de grande dificuldade e propôs aos alunos um rápido bate-bola. “Foi um privilégio estar com todos vocês, descobri vários talentos e é sempre muito bom poder mostrar o trabalho da categoria Freestyle”, afirmou o craque. Os alunos aproveitaram o momento para ver os principais dribles, pedir autógrafos, tirar fotos e, até mesmo, jogar com Adonias. “Foi muito maneiro, porque ele faz coisas que parecem impossíveis de fazer. E eu já o conhecia. Acompanhei o Reis do Mundo x Reis do Brasil, um jogo beneficente em que só os melhores do mundo e do Brasil jogaram e ele estava lá. Tinham outros jogadores de outras categorias também. Sabe como ele começou no Freestyle? Ele sempre gostou muito de jogar bola, mas um dia quebrou a perna. Aí, ficava fazendo embaixadinha com um pé só, porque estava de muleta, e aí gostou e começou... E eu gostei de jogar com ele. Eu estava tremendo, achei que fosse errar tudo, mas foi tranquilo porque além de ser bom jogador ainda é um cara muito simples”, elogia o aluno do 7º ano Épico, Lucas Cardoso. “O Adonias é um profissional muito bom. Ele fez dribles que eu nunca tinha visto. Fiquei com muita vontade de aprender, porque eu já faço futebol. Joguei com ele, tirei foto e pedi que autografasse a minha chuteira, porque quando eu estiver em campo, vou lembrar do dia em que ele veio aqui”, comenta a aluna do 6º ano, Maria Luiza Surerus. “Não conhecia o Adonias, mas já tinha visto a categoria Freestyle e as coisas que ele consegue fazer são bem legais. Eu também jogo futebol e foi bom jogar bola com ele, porque na minha categoria não fazemos o que ele faz”, afirma o aluno do 8º ano, Gustavo Sartori.