Inclusão em todos os sentidos

Olho, nariz, boca, ouvido, pele. Enxergar, cheirar, degustar, ouvir, tocar. A nossa relação com o mundo, com outras pessoas e com nós mesmos depende dos órgãos dos sentidos. Para ampliar esta relação a turma do 1º ano A recebeu três visitar que, além de chamarem a atenção para alguns dos cinco sentidos, ainda compartilhou com a turma lições sobre inclusão, aprofundando os estudos do projeto “Órgãos dos Sentidos”.

A assessora de comunicação, Taís Evanolli, visitou a turma da professora Alessandra Boliano e da assistente Giovanna Malatesta para um momento de contação de histórias. “A tia Taís contou a história de um menino que não ouvia e, por isso, tinha que usar a língua de sinais para conversar com as outras pessoas. No início ninguém entendia, mas depois que ele deu uma boa solução para ajudar a resolver o problema de muitos insetos que estavam entrando na escola, as pessoas começaram a querer aprender a língua de sinais para conversar com ele”, relata a aluna Maria Muzitano, falando do livro “De onde vêm esses animais?”. Após a contação de história, Taís apresentou à turma as assistentes da Agrupada III, Dandara Diniz e Yohana Miranda, estudantes de Letras/Libras, que deram uma aula sobre essa diferente forma de se comunicar. “A língua de sinais é uma maneira que temos de nos comunicar com quem, por algum motivo, não pode falar usando a voz. Dessa forma a gente consegue incluir essa pessoa, como aconteceu na história que os alunos ouviram”, afirma Dandara.
 
Após aprofundarem seus conhecimentos, Dandara e Yohana deram aos alunos a oportunidade de conhecer alguns sinais e seus significados. “Eu pedi para elas me ensinarem a ‘falar’ relógio com a língua dos sinais, e é bem fácil. É só apontar com o dedo da mão direita no pulso da mão esquerda. E eu pedi pra aprender isso porque eu adoro o desenho do Ben 10 e, como vão lançar o filme, até usando a língua dos sinais posso chamar um amigo”, afirma o aluno Bernardo Albuquerque. “Escolhi aprender como se ‘fala’ amor em libras. Você passa a mão em frente ao rosto e vai fechando, formando uma conchinha com a mão. E eu escolhi aprender amor porque isso é fofo de falar, e eu quis saber como é na língua dos sinais”, comenta a aluna Isadora Viana.